Ciência 360

O discente é o principal produto de um programa, diz coordenador da CAPES

Professor Rinaldo Mota falou sobre os principais desafios da área de medicina veterinária na CAPES.

No dia 29 de março, a Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ) da Unesp, câmpus de Botucatu, recebeu a visita do professor Rinaldo Mota, coordenador da área de Medicina Veterinária da Capes para o quadriênio 2018-2022.

O professor Rinaldo apresentou a palestra “Desafios para a pós-graduação da área de Medicina Veterinária”, com informações sobre a tramitação de alguns processos dentro da Capes, especialmente aqueles relacionados à avaliação de mérito das propostas novas de programas de pós-graduação e o processo de avaliação quadrienal ao qual os programas são submetidos.

Falando para uma plateia repleta de docentes e pós-graduandos, o professor Mota ressaltou a importância dos alunos para os programas de pós-graduação. “Os estudantes são nosso principal produto. Eu sempre digo aos coordenadores dos programas: não percam nenhum aluno da pós-graduação. Nós temos obrigação de ajudar os alunos em todos os aspectos, sejam técnicos ou pessoais, que possam interferir na sua pós-graduação”.

Dentre os aspectos ressaltados pelo professor Mota está a inserção social dos trabalhos gerados nos programas de pós-graduação: “É preciso ter consciência que a pós-graduação não serve apenas para a obtenção de um título. Hoje, a Capes está passando por profundas modificações no seu processo de avaliação dos programas e um ponto muito importante é o que o aluno e os programas de pós-graduação estão oferecendo à sociedade. Atrelado ao diploma e a publicação científica da sua tese ou dissertação, o aluno deve, quando possível, participar de eventos, projetos ou ações sociais. É interessante que as teses ou dissertações tenham uma inserção social para resolução de problemas da comunidade. O Brasil precisa avançar na questão de inovação em Medicina Veterinária e também com relação à contribuição social que os programas de pós-graduação possam dar. Aquele modelo de produtivismo científico da pós-graduação está sendo deixado de lado porque chegou ao seu esgotamento. Apenas formar docentes ou cientistas não é mais a única demanda em todas as 49 áreas de avaliação da Capes. A sociedade investe na pós-graduação e quer um retorno social”.

 

fonte: por Sérgio Santa Rosa. 29/03/19.

https://www.fmvz.unesp.br/#!/noticia/39/coordenador-de-area-de-medicina-veterinaria-da-capes-visita-fmvz.

Editor

Professor e pesquisador na Universidade Vila Velha (UVV). Atualmente atua como Coordenador Geral de Programas Stricto Sensu na área de Biotecnologia Vegetal, Ciência Animal, Ecologia de Ecossistemas e Sociologia Política.

Add comentário